..Kazão e suas moedas de troca..

14.4.07

enquanto isso na aula da quinta série-sexta

eu não entendo
tu não me entende
ela não tá nem aí....
nós não entendemos
vós entendeis?
eles que se fodam

Foda-se

Sempre tem uma vítima da situação. Se ela não existe, a gente cria. Pelo menos eu crio!!! Não gostar de ir aos lugares é um crime? Durante algum tempo eu não suportava um lugar que eu ficava diversas horas por dia, mas eu ia. Chegou um belo dia que eu chutei o balde. Ergui com a mão esquerda e dei uma bimba bem forte com o pé direito. Vi aquele plástico cinza e branco voando para o alto, sem nenhum remorso, diga-se de passagem. Deixei pra lá outros ares asiáticos também... A fase é crítica mesmo. Sem criatividade e com pouca inteligência numa cabeça só... q tristeeeeeeeeeeeeeeeeeza, já diria o ator Milton Jr.
A essa altura do campeonato: foda-se

8.4.07

http://www.youtube.com/watch?v=_qX0_gvYMPg

angélica: genti! cascvavelletes!! td bem? são todos do sul né? e agora música nova....

basso: é. "eu quis comer você" é o nome da música!

angélica: que barato. como está o grupo cascavelletes? muito sucesso?

nei: de mais

angélica: legal. obrigado por vocês terem vindo

basso: a gente vai pintar no rio de janeiro pra afzer muitos shows agora. inicio de abril.

angélica: vocês podem dizer onde serão os shows?

basso: o nosso produtor está agilizando isso. não está bem certo, mas aí a gente dá um toque.

angélica: e telefone pra show? ah, bonito o sotaque dele. eu acho um barato sabia? bah, tchê...

basso: é assim lá em porto alegre...

angélica: e telefone pra show?

basso: é 250732. fala com o vini.


(e aí vai..........)

13.11.06

ficaadica


pra quem curte o 'assunto' é um bom livro

http://www.siciliano.com.br/livro.asp?orn=LSE&Tipo=2&ID=900099

é legal ler o livro e ir ouvindo os discos referentes ao período que é narrado...

pra quem gosta, é bem legal mesmo... e tem umas fotos diferentes daquelas que a gente vê por ai...

5.11.06

1001

25.10.06

não some!
oi
estás por ai?
será q ela está?
e agora o q fazer??????????
continuar escrevendo ou aguardar um minuto?
se isso n for respondido, vira poema, poesia, poeira.....
acho q não tem ninguém lá.........
ninguém mandou clicar no botão desconectar!

putz...... nao virou poema!

DR sem R é repressão
é compromisso, paixão
o D sem o R fica sujo, fica cheio, fica mudo
fica insano, imundo!!!!!
o D sem R fica chateado.
quer um R pra Discutir
quer um R pra ter uma DR e dizer ‘que amado!’

22.10.06

luz para todos


o nosso presidente disse, sábado, que isso aí do lado é uma máquina do tempo que tira as pessoas do século XVIII e trás para o XXI.
pra mim ele tem razão, mas confesso que nunca tinha pensado nisso...

semprenasinuca á
ou vai ou rachá á
caxias voltará a á?
encontrosedesencontros no trilho do trem
,
onde petracco, frank e julio se encontram
bandoleando seus acordes sob a fumaça da maria eu
pego as malas, dou adeus e sigo meu caminho a lá emmett brown

perfumariatododianostrasalegriaimensaemumapraçaflorida

18.10.06

1 dia a lamentar desde seu começo!
no dia do lamento eu já começo.
em dias de lamento te conheço
R
E
A
L
M
E
N
T
E
meu equilíbrioeconômicofinaceiro não nos deixa um centavo
1ma mísera ficha
1 tostão furado e porque ser tão puto da cara?

lamento e sinto
sinto lamentar o que eu não
Cinto
sempre na defensiva, desde uma terça-feira

os atentos olhos do poeta a bisbilhotar o vai e vem livre daquela moça

brincuringagomalinabailedançaearremesso
meu olho sobre o teu então

Parauráraurraarachubitubapá

16.10.06

Uma roda punk descente

Há muito tempo, isso lá pelos idos de 1999, que eu não via uma roda punk tão civilizada e descente. O show foi em uma cidade próxima, Garibaldi. O lugar, um tanto quanto 'diferente', mas os cerca de 100 'punk' 'rockers' se comportaram de forma exemplar. Ultimamente só via nessas danças ancestrais, ancestrais irracionais girando em círculos chutando e soquenado seus semelhantes. Mas sábado estava tudo tranqüilo. Nada mais além de empurrões, normais, e alguns alcoolizados tentando ganhar as moças da cidade no grito. Uma coisa tão 'na paz', que este encião que vos escreve resolveu 'polquear' ao som dos mestres Ramones. Uma noite de puro exorcismo à flor da pele.

14.10.06

Sonho pouco
Coisas poucas
Com você por perto ou longe ao mesmo tempo
Quem sabe uma imprevisão?
Não é fácil de se lidar com os humanos em geral
Com os humanos da coréia
Com os humanos da arquibancada inferior
Gargantas forçadas ao lembrar teu nome terminado em vogal
Canções cansadas de serem cantadas num quente noite de sábado
E sol?
Amanhã ele retorna
nos toca
reboca
a touca está por vir

12.10.06

mas todos acreditam no futuro da nação


como é que não posso acreditar no futuro do Brasil??
o futuro é agora! espero um mundo melhor para meus netos. sei que eu, minha esposa-robô e as cinzas da minha falecida esposa torcerão por todos nós. e pelos que virão também.
vejo poesia no ar. e não quero perder esta esperança, esta alegria, esta energia, esta vontade e esta perspectiva de te ver. sem t v.


foto by: kazao gutièrrez

Assim eu vejo minha cidade

De uns tempos pra cá venho prestando mais atenção no cotidiano da minha cidade. Confesso que não a conheço assim tão bem como alguns candidatos, mas procuro descobri-la um pouco mais a cada dia. Durante quatro anos caminhei pela Sinimbu, e Alfredo Chaves para chegar ao trabalho. Lá, minha função não me dava possibilidades maiores para conhecer a cidade. Lembro-me de quase todas as cerca de 1301 vezes que fiz tal roteiro.
Antes das câmeras de segurança serem instaladas no centro de nossa cidade, já sentia-me vigiado por algo ou alguém. Seria pelas marquises dos raros prédios antigos de nosso centro ou pelas vitrines iluminadas das lojas nacionais que aqui chegaram? O futuro sempre esteve por estes campos, mas por outro lado, por mais estranho que possa parecer, alguns pensamentos provincianos me chamam a atenção. O exemplo claro que trago aqui é o toque diário do sino da Catedral Diocesana às 18h. É curioso que isso ocorra no centro de uma cidade com mais de 400 mil habitantes, mas é um hábito caxiense.
A cidade é mesmo grande. Tem oito dígitos nos números telefônicos, tem bastante oportunidade aos atentos, não tantos quantos o JN diz. Tem a banda do Cristóvão, asfalto nos bairros, água tratada e luz elétrica. Transporte coletivo urbano e um senhor que vende casquinhas pelas ruas. Quem nunca ouviu “Olha o chuuurrus quentinho!!” ao passar na esquina da Julio com a Garibaldi? Quem nunca viu o Ligeirinho varrendo nossas ruas com rapidez, empenho e satisfação no que faz? A cidade tem figuras de destaque nacional.
Certa vez, vi duas marés vermelhas felizes, seguidas por jóias balançadas em um domingo de outubro. Eu vi da sacada. Eu vi o ilusionismo na parada. Eu vi a mensalidade aumentar e meu salário diminuir. “Eu faço nove cadeiras”. “Me dá uma moeda?”. Eu vi em Caxias.

11.10.06

Muitos temores nascem do cansaço


Hoje completa 10 anos da morte do Renato Russo. Pode parecer o que for, mas isso me marcou. Na época tinha apenas 13 e muitos dos meus temores apenas me aguardavam na próxima esquina, ou beco da cidade. Há 10 anos venho me lembrando do dia 11 de outubro de 1996. Estava na 8º série e iria acontecer um passeio na sede da Fras-le. O passeio realmente aconteceu, mas eu me lembro de ouvir no rádio que o Renato havia morrido. Pensei: Puta Merda! Quando cheguei na escola, atravessando os trilhos do trem à pé, lembro de comentar com um colega o ocorrido. Ele me disse que não sabia do que se tratava. Aí eu insisti e disse que era o cara do Eduardo e Mônica, Faroeste Caboclo... e ele me responde que não conhecia. Pensei: Putz! Que Merda!! Aquele dia foi realmente estranho. Meu ‘coleguinha’ havia caído do balanço e deslocado o braço. Nós chegamos a escola mais cedo. Daquele dia tenho poucas lembranças, mas algumas que marcaram. Na época, como estava começando a ouvir o som do Legião logo pensei que nunca esqueceria aquela data. De fato, eu não sabia muito bem o que havia acontecido, mas já sabia que um grande ícone da musica brasileira havia passado pro lado de lá.

“É tão estranho. Os bons morrem jovens”

Experiência cumpádi!

Porra, quando os caras vão parar com esta besteira de explorar a juventude em troca de experiência??? Será possível?? Experiência e amor não enchem a barriga de ninguém!! Amor até que consegue... mas experiência não!!!
É pura indignação momentânea...

7.10.06

reedição

vó dotrina e véia fuca

vó dotrina e véia fuca são amigas desde os anos 30. ninguém sabe a idade delas, muito menos eu. vó dotrina cuida de seus filhos, netos e aminguinhos da rua. véia fuca é rabugente. quem será que a mulher da igreja vai escolher pra vender sua bíblia??
vó dotrina faz boos e chás às 17h de todo o santo dia. véia fuca toma uma remédio faixa preta às 17 das segundas, terças, quartas, quintas, sextas, sábados, domingos e feriados.
quem será que vai viver mais??

29.9.06

frase da semana

"pássaros voam, pessoas não"

aprendendo a usar o peintbrãch

28.9.06

é isso q dá ouvir kid abelha em vinil...

5.5.06

EU SOU UM IDIOTA

"idiota é quem faz idiotice" dizia forrest gump. e acho que ele diz isso pra mim. e esfrega bem na minha cara mesmo. mas ele deveria dizer muito mais coisas, como aquelas que a rainha da madita embriaguez diz sem dó nem piedade. é isso aí. tem que esfregar na cara. deveria comprar um cd só com frases do tipo: deixe de ser idiota. não seja imbecil... e assim por diante. e ouvir sempre no ônibus que me transporta de lá pra cá. mas este cd está em fase de produção e terá a locoção de Cid Moreira.

26.4.06

A matemática do nosso encontro casual

Se fossemos contar todas as movimentações necessáris pra nós dois nos encontrarmos na esquina da Julio com a Visconde... Ficaríamos aqui até amanhã. Contaríamos desde a hora em que tu acordou até o atraso de dois minutos do teu ônibus. E eu? Minha fila de banco e as três vezes que a porta giratória do correio trancou. Os mínimos detalhes devem ser levados em conta. A sinaleira que fechou na Coronel Flores e a caixa do super Testolin que não conseguia troco para uma nota de R$ 50, atrasando a fila que eu estava. Será que as coincidências existem? Ou é pura matemática? Para quem tem um olhar científico, até a movimentação lunar e dos astros tem importância neste momento. Para os mais místicos, um encontro nada mais é do que um puro encontro. O que mais importa nestes momentos, é que nos vemos depois de tanto tempo. Teu perfume pelo ar, um abraço forte e o sorrizo leve. E a minha cara de bobo ao te ver, que já é comum, continua boba.

essa é uma espécie de segunda fase dos irmãos coragem. acho meio difícil de ler os textos que estavam no outro blog, mas tudo bem. um abraço e boa diversão. ou não.